F x

“Se fosse fácil fazer as reformas, o sociólogo teria feito a reforma política e o operário teria feito a reforma trabalhista.”

Marina Silva, alfinetando FHC e Lula, de cujo governo foi ministra.




Ano XI - 20 a 22 de setembro de 2014

 

He-Woman
Em jantar, na semana passada, em São Paulo, com alguns poderosos de instituições financeiras e sem a presença de homens dos grandes bancos, a candidata Marina Silva (PSB) garantiu que aproveitará, se eleita, os primeiros 100 dias de governo para conseguir aprovar propostas, contando com o apoio popular, sem necessidade de fazer alianças com a velha política. O problema é que PSB, PPS e nanicos que fazem parte de sua coligação, não conseguirão eleger para o Congresso, volume suficiente de representantes para aprovar coisa alguma. Quem foi, desembolsou R$ 100 mil a título de doação.

Papai Noel
O vice Michel Temer, candidato a reeleição com Dilma e presidente nacional do PMDB, avisa que, se Marina Silva vencer, o partido formará na oposição. No mesmo dia emendou dizendo que, caso Dilma e Marina estejam no segundo turno, ele buscará o apoio do PSDB para a candidata-presidente e, acertado um acordo, os tucanos poderiam até participar do segundo mandato dela, se ganhar. O alto tucanato acha que, daqui a pouco, Temer começará a garantir que “Papai Noel existe”.

Agora, Jango
Jango – Como Matar um Presidente é o título de filme que Roberto Farias, 82 anos, vai começar a rodar sobre a vida do presidente João Goulart, deposto pelos militares em 1964. Murilo Benício deverá interpretar Jango na telona. Detalhe: poderá haver uma espécie de consultoria da viúva Maria Tereza Goulart.

Depende
Depois de debate da CNBB, em Aparecida, um repórter gaiato perguntou a Levy Fidelix (PRTB) se Dilma e Marina estiverem no segundo turno, quem ele apoiaria. E ele, sério: “Tudo vai depender do que a executiva nacional do meu partido decidir”. O mesmo repórter ia fazer pergunta semelhante ao Pastor Everaldo (PSC), só que ele foi mais rápido e disse que não teria de enfrentar essa situação, porque “estará no segundo turno”. E emendou: “Eu acredito em milagres”.

Menos saneamento
Das 7.120 obras de saneamento previstas par a segunda etapa do Programa de Aceleração do Crescimento – PAC 2, somente 1.223 foram concluídas, equivalentes a 17,2% do total. Outros 2.326 empreendimentos estão em fase de contratação, ação preparatória ou licitação, correspondendo a 32,6%. Ou seja: uma a cada três obras de saneamento não saíram do papel.

Outra delação
Está sendo negociada mais uma delação premiada envolvendo um dos presos pela Operação Lava Jato: é Luccas Pace Junior, braço-direito da doleira Neima Kodama, mais conhecida como Japa que, junto com Alberto Yousseff, controladoria cerca de 80% do mercado do câmbio paralelo no país (Kodama também tinha outras relações com Yousseff). Luccas participava de todas as operações da Japa, tem planilhas e anotações com datas e tudo mais, envolvendo não apenas políticos, mas também empresários, industriais, corretores do mercado financeiro e sonegadores em geral. Durante muito tempo, Kodama manteve uma base de operações também em Santo André, em São Paulo.

Novo marineiro
O empresário Jorge Gerdau vinha presidindo a Câmara de Políticas de Gestão e Competitividade, ligada ao gabinete da presidente Dilma Rousseff e, na semana passada, posava ao lado de Fernando Henrique Cardoso, Aécio Neves e Geraldo Alckmin em São Paulo, num jantar de poderosos, dando a impressão de que apoiava a candidatura do mineiro. Gerdau, contudo, está muito mais chegado à candidatura de Marina Silva, tanto que estaria incentivando Vicente Falconi, do Instituto de Desenvolvimento Gerencial, a marinar. Falconi tem ligações com Aécio e desenvolveu consultorias para o Ministério do Planejamento, Correios e Infraero no governo de Dilma.

Projeto Down

Lula, o profeta
O ex-presidente Lula, que já fez até comício na defesa da Petrobras e do pré-sal e não abriu a boca até agora sobre o escândalo de Paulo Roberto Costa e o propinoduto de R$ 10 bilhões originais da estatal, acha que um segundo turno entre Dilma Rousseff e Marina Silva será uma etapa complicada. E não quer que o marqueteiro João Santana aumente a dose de Dilma contra Marina: o resultado da primeira ofensiva não foi satisfatório. E tem uma certeza: independente do apoio ou não de Aécio Neves a ex-senadora, Lula acha que o eleitorado conservador do Sudeste despejará seus votos nela.

Caindo fora
Ex-presidente do Supremo, Joaquim Barbosa vem se recusando a apoiar publicamente quaisquer candidatos à Presidência. Aos chegados, contudo, começa a achar que Marina Silva terá maiores chances de vitória. Na eleição, estará nos Estados Unidos. Depois, começará a organizar sua agenda: já tem convites de palestras aqui e no Exterior. Ainda não decidiu, mas acredita que poderá cobrar US$ 50 mil por palestra. E iniciará seu livro. Futuramente, poderá até dar pareceres, dependendo do processo.

Quem vem
No começo de 2015, quem vem a São Paulo é o cineasta Tim Burton: vai inaugurar uma exposição, no Museu da Imagem e do Som, que retrata o universo do diretor de Edward, Mãos de Tesoura e Alice no País das Maravilhas, entre outros. Burton é casado com a atriz Helena Bonham Carter, só que sua vinda não está confirmada.

Voz reforçada
Nos últimos dias, um verdadeiro festival de ministros ocupou prolongados períodos de tempo no programa Voz do Brasil, dando entrevistas e descrevendo ações de sucesso do governo de Dilma Rousseff em todo o país. Não podem fazer menção à campanha de reeleição da presidente. O Planalto tem plena consciência de que, em grandes centros, a Voz do Brasil não dá audiência, só que também sabe que no interior o número de ouvintes não é nada desprezível, mais ainda na zona rural.

De longe
No novo depoimento de Paulo Roberto Costa na CPI Mista, quando ele não abriu a boca para assunto nenhum (até mesmo quando alguém perguntou “se ele tinha netos”), o pessoal do PP, a partir do presidente do partido, Ciro Nogueira, passou longe. A legenda é apontada como responsável pela indicação de Costa para a diretoria do Abastecimento. Mais: o MP e a Polícia Federal agora querem ouvir Pedro Corrêa, mensaleiro preso porque, durante algum tempo, ele tentou se transformar em herdeiro de José Janene, junto a Paulo Roberto.

Vapt-vupt
Dilma Rousseff discursa, na quarta-feira, na abertura da 69ª Assembléia Geral da ONU, em Nova York e participa de reunião com chefes de Estado sobre clima. E quer permanecer na cidade o menor tempo possível (das vezes anteriores, ficava de dois a três dias na cidade). Não quer que ninguém diga que ficou muito tempo longe dos problemas domésticos.

Mais um
Ediel Viana da Silva, considerado braço da lavagem de dinheiro nos Emirados Arabes, comandada pelos doleiros Carlos Habid Chater e Fayed Traboulse, também aderiu ao formato de delação premiada. A Polícia Federal já identificou na Operação Lava Jato esquema montado no Brasil que envolveria tráfico de mulheres, tráfico de drogas, evasão de divisas e lavagem de dinheiro usando a rota dos países dos Emirados Arabes. O grupo funcionaria ao lado de Alberto Yousseff. Fayed é conhecido doleiro em Brasília e mantém relações com muitos políticos.

Pesadelo maior
Aos mais chegados, o tucano Aécio Neves confidencia que, nessas eleições, seu pesadelo maior seria, além de não chegar ao Planalto, ver seu candidato Pimenta da Veiga perder para Fernando Pimentel o governo de Minas Gerais. No QG da campanha, é quase proibido tocar nesses assuntos, mas Aécio, caso acumule duas derrotas em outubro, continuará na presidência nacional do PSDB, pretendendo liderar a oposição no país (contra uma ou outra). E já pensaria em 2018, ano que também não sai da cabeça de Geraldo Alckmin.

Não sabia
Na semana passada, a presidente Dilma Rousseff voltou a defender seu governo afirmando que o escândalo da quadrilha que operava na Petrobras, com comando de Paulo Roberto Costa, só foi descoberto por causa de investigação feita pela Polícia Federal, que é um órgão do governo federal. Não é bem assim: a Chefe do Governo só soube de tudo quando Paulo Roberto Costa foi preso. Nem José Eduardo Cardozo, ministro da Justiça e superior hierárquico da PF, teve conhecimento da Operação Lava Jato com antecedência.

Pânico no Pânico
O clima é de pânico no programa Pânico na Band, o humorístico dominical que amarga baixa audiência – e nem repercute mais nas redes sociais e nas colunas de gossips, como em outros tempos. A cúpula da emissora está cobrando reação dos integrantes do programa, especialmente porque já surgiram os primeiros reflexos na área comercial.

Quem é
Nesses dias, no perfil do PT no Facebook, seus responsáveis publicaram lista de intelectuais e artistas que apoiam Dilma Rousseff e escreveram que um deles era o “sociólogo” Leonardo Boff. Ou seja: não conhecem nem os cumpanheros, o que teria poupado constrangimento ao conhecido teólogo.

Contra PT
Nélida Piñon, escritora e integrante da Academia Brasileira de Letras, ficou irritada em ver seu nome incluído numa lista de artistas e intelectuais que foram apoiar Dilma Rousseff. Não esteve no evento, não comparece a encontros políticos e, acima de tudo, “não apoio o governo do PT”.


Letícia BirkheuerEx-musa do volei
Ex-musa e bicampeã de vôlei, a gaucha Betina Schmidt hoje mora em Miami, onde faz carreira como modelo (é contratada da Ford Models). Agora, acaba de ser contratada para a nova campanha de lingerie de rede americana JC Penney. Betina tem 1,80m de altura, suas medidas são 89-66-91 e namora o ex-jogador e comentarista de futebol Roger Flores, ex-Deborah Secco e ex-Adriane Galisteu, que nem se incomoda em ser 10 cm mais baixo que ela.

Edições Anteriores:  

  ;-) Flores do campo.

:-( Rosas champanhe.



Os trabalhos dos mais criativos cartunistas selecionados na web.





 

Ruy Altenfelder Silva entrevista no programa Dialogo Nacional o colunista Giba Um.


© Copyrights: É proibida a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização
do titular desta coluna eletrônica. Entre em contato com o autor pelo email gibaum@gibaum.com.br