F x


“Eu sou o Aryton Senna do MMA.”

Anderson Silva, lutador, preparando sua volta ao UFC, do alto de sua modéstia.




Ano XI - 20 e 21 de Novembro de 2014

 

Futuro chanceler
Para Dilma, se o vice José Alencar foi até ministro da Defesa do governo Lula, Michel Temer também pode ganhar um ministério em seu segundo mandato – e provavelmente, a Pasta das Relações Exteriores. A Chefe do Governo, hoje, tem boas relações com ele, reconhece seus modos diplomáticos e o êxito de algumas missões internacionais para as quais foi designado por ela. Agora, Temer está mais preocupado em manter o PMDB (não deverá disputar sua presidência, no ano que vem) longe do lobista Fernando Soares, o Fernando Baiano, preso e acusado de intermediar dinheiro do esquema da Petrobras a políticos peemedebistas. Mais: ele ainda não tem planos para 2018, quando estará com 78 anos.

Outra empreiteira
Se até agora a Andrade Gutierrez não formava no bloco das empreiteiras cujos presidentes e diretores foram presos pela Polícia Federal, Fernando Baiano, que já avisou que fará delação premiada, segundo Alberto Youssef, fazia a ponte entre construtora e a Petrobras. Os executivos Julio Camargo e Augusto Ribeiro, da Toyo Setal, em suas delações, informaram ter pago R$ 154 milhões para operadores do PT e do PMDB (Baiano seria o elo de ligação com peemedebistas). Ele quer segurança até na prisão: teme ser assassinado.

Melhor bolerão
O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, atolado em meio a uma montanha de processos envolvendo o propinoduto da Petrobras, foi avisado por um assessor que, no Rio, está em alta um DJ chamado Janot. Ai, ele brincou: “A gente nunca sabe: pode ser um primo distante”. A receita de ritmos que o DJ toca nas carrapetas não é exatamente o forte do procurador-geral: até pelo tamanho, ele prefere mais bolerões e demais variantes cheek-to-cheek.

Vale tudo
O senador Romero Jucá (PMDB-RR), ao trocar a expressão “meta de superávit” por “meta da resultado”, na condição de relator do projeto que modifica a Lei de Diretrizes Orçamentárias deste ano, praticamente libera o governo a fazer um déficit do tamanho que quiser – e o texto deverá ser aprovado. Os senadores acham que “não é a hora de fazer marola” e Jucá se habilita a disputar a presidência do Senado (caso Renan Calheiros decida não tentar a reeleição), a liderança do Governo na Casa ou, quem sabe, até um ministério.

Mais juros
Na viagem a Austrália, o presidente do BC, Alexandre Tombini, conversou muito com a presidente Dilma Rousseff, antecipando que, na próxima reunião do Copom, nos dias 2 e 3 de dezembro, a tendência é de novo aumento na taxa básica de juros (Selic). No mercado, os analistas se dividem: metade fala em 0,50%; a outra metade arrisca mais do que esse percentual.

Bancada do bispo
Entre as dez maiores bancadas da Câmara Federal, a do PRB, partido que nasceu sob inspiração de Edir Macedo, foi a que mais cresceu desde 2010: de oito passou para 21 deputados, superando PDT, PCdoB e PPS. Quadruplicou a bancada paulista chegando a oito deputados e perdendo apenas para tucanos (14) e petistas (10). Celso Russomano, que teve 1,5 milhão de votos em São Paulo, acha que toda essa performance sedimenta e reforça sua candidatura a prefeitura paulistana em 2016.

Projeto Down

Depois do recesso
A convocação do presidente licenciado da Transpetro, Sérgio Machado, para depor na CPI, sem data marcada e a quebra de sigilo bancário, fiscal e telefônico de João Vaccari Neto, tesoureiro nacional do PT, são consideradas ações para inglês ver. Na semana que vem, não há previsão de nenhum depoimento e na sequencia, serão três semanas para ir empurrando com a barriga. A estratégia é deixar tudo para a próxima legislatura, quando uma nova CPI terá de recomeçar tudo.

Olho nos contratos
Depois de ter dito que “não se pode demonizar as empreiteiras”, Dilma Rousseff pediu a todos seus ministros à relação dos contratos que as construtoras envolvidas com o escândalo da Petrobras mantém com o governo. A presidente quer antecipar fatos para não ficar exposta a problemas em outras áreas. A relação deverá ser detalhada: inicio da obra, estágio atual, pagamentos feitos, supostos aditivos e por aí vai.

Puxando o freio
Silvio Santos, malgrado seus surpreendentes comentários no ar (o último deles, envolvia fralda que usava em decorrência de uma cirurgia de próstata), resolveu puxar o freio de todos supostos projetos do SBT para 2015. E isso inclui um programa sobre celebridades, uma revista eletrônica semanal e até a contratação de Fábio Porchat. A única certeza para o ano que vem é um programa com auditório comandado por Patrícia Abravanel.

Muita cautela
Para Dilma Rousseff, à essa altura do campeonato, “cautela e caldo de galinha não fazem mal a ninguém”: para a formação do novo ministério – e isso inclui supostas indicações de Lula – não quer sugestões de nomes que possam, direta ou indiretamente, deixar seu governo vulnerável às investigações. Essa é a grande determinação para a ocupação de todos os cargos públicos, das áreas econômica, política ou social. Por isso é que ela vem demorando na análise de nomes que já chegaram às suas mãos até agora. Já Aloizio Mercadante, da Casa Civil, repete a todos os ministros que a ordem é blindar a presidente.

Vilã com especialização
Nesses dias, na novela Império, a personagem Cora (Drica Moraes) empurra Fernando (Erom Cordeiro) da escada. Nas redes sociais, rapidamente, espalhou-se que as vilãs de Aguinaldo Silva são especializadas nesse recurso de assassinato. E lembrava-se que Nazará Tedesco (Renata Sorrah) em Senhora do Destino, também matava suas vitimas, em 2004, empurrando-as escada abaixo.

Com frases
Já podem ser encontradas em lojas especializadas em lingerie – e não apenas em sexshops – calcinhas com frases impressas na frente e à derrière. Na maioria delas, usa-se o inglês e a mais popular é uma onde, na parte traseira, está escrito Why not?

Muito mais
O ex-gerente da Petrobras, Pedro Barusco, que não foi preso por ter feito acordo de delação premiada com antecedência, já se dispôs a devolver R$ 252 milhões, o que vem provocando mais do que espanto entre deputados e senadores. O senador Agripino Maia (DEM-RN) resume o que os demais congressistas pensam: “Se um gerente vai devolver R$ 252 milhões, imaginem quanto não foi tirado da empresa. E imaginem também quanto ainda pode estar escondido lá fora, em algum banco!”

Por um fio
As denúncias de que, mesmo depois da saída de Paulo Roberto Costa e Renato Duque, um esquema de corrupção continuaria vigorando na Petrobras e supostamente, envolvendo José Carlos Cosenza, diretor de Abastecimento, piora a situação de Graça Foster, que até resolveu criar uma diretoria anticorrupção, ironizada por jornais de todo mundo. Dilma resiste: Graça é sua amiga. Já na estatal, a torcida é pelo afastamento de Foster. Lá, ela é considerada autoritária, centralizadora, nem um pouco simpática e insegura sob pressão.

Troca
Petistas estão tentando convencer Marta Suplicy a não mudar de partido para concorrer em 2016 à prefeitura de São Paulo, quando Fernando Haddad tentará sua reeleição. E procuram fasciná-la com uma candidatura ao governo paulista em 2018. Ela sabe que é boa de voto na periferia da cidade, como sabe que não é nenhuma Brastemp no interior de São Paulo. Mais: além do PMDB, também PCdoB já está acenando para a senadora.

Conhecidos
Nesse festival de prisões e denúncias, muitos advogados que atuaram no mensalão voltam à cena: Marcelo Leonardo, que defende Sérgio Mendes, da construtora Mendes Junior, já defendeu o publicitário Marcos Valério e José Luis de Oliveira Lima, o Juca, que defende Erton Medeiros, da Galvão Engenharia, tem como cliente José Dirceu. Ele também já cuidou da defesa de Paulo Vieira de Sousa, ex-Dersa, que cuidava do Rodoanel em São Paulo.

Derrotados de fora
Conhecidos nomes do PT que foram derrotados em eleições estaduais não deverão ser, obrigatoriamente, aproveitados no novo ministério de Dilma. O próprio chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, tem tratado de passar essa informação adiante, com muito tato e discrição, mesmo porque “não haveria lugar para todos” – e o governo não quer criar exceções. A única pode ser a de Josué Gomes da Silva (Coteminas). Gleisi Hoffmann fica no Senado, seu marido Paulo Bernardo fica sem nada e Alexandre Padilha diz que “está procurando emprego”.

Duelo noturno
O novo programa de Gugu Liberato na Record deverá ir ao ar nas noites de terça-feira, quarta-feira e quinta-feira e no mesmo horário do programa de Ratinho, que hoje desfruta de audiência estável no SBT. Ratinho, para crescer, reduziu temas considerados popularescos e Liberato, ao contrário, deverá partir exatamente para esse tipo de assunto para conseguir audiência.

Saindo da toca
Nesses dias, a ex-senadora Marina Silva resolveu sair da toca e criticar Dilma Rousseff em seu blog, preocupada em criar alguma sintonia com os 51 milhões de brasileiros que votaram em Aécio Neves no segundo turno e alavancar as assinaturas que faltam (estima-se que 30 mil) para a criação da Rede Solidariedade. Os integrantes da Rede acham que, à essa altura do campeonato, grande parte dos votos dela que migraram para Aécio permanecerão com ele. Detalhe: hoje, Marina não sabe se disputaria, de novo, o Planalto em 2018. Senado, sem dúvida.

Todos os tipos
A revista Microbiome acaba de publicar estudo da Organização Holandesa para Pesquisa Cientifica Aplicada, segundo o qual quem se beijar nove vezes por dia na boca têm probabilidades maiores de compartilhar até 80 milhões de bactérias presentes na saliva. Outros estudos revelam que podem existir até 700 tipos de diferentes bactérias na boca. A pesquisa holandesa acrescenta, diante dos novos tempos, o volume de bactérias trocadas estão igualmente em beijos entre homem e homem e mulher e mulher.

Novo filme
Depois de ter interpretado uma soropositivo em estado terminal no filme Boa Sorte, dirigido por Carolina Jabor, Deborah Secco viverá nas telas Suzane Von Richthofen, que matou os próprios pais em 2002. A direção será de Fernando Grostein, jovem cineasta, irmão de Luciano Huck, que deverá produzir o novo filme dele.

Estrela da noite
O veterano Sidney Magal, 61 anos, virou a grande estrela da festa de lançamento do revival do Globo de Ouro, no Rio: foi o mais assediado por jornalistas e admiradoras. E contou ser primo de segundo grau de Vinicius de Moraes e mesmo assim, nunca se aventurou na bossa nova. “Ele me dizia que, se tivesse meu corpo e meu jeito, só cantaria música pop”. Depois, quanto Preta Gil anunciou Magal como “um gato”, ele avisou que, hoje, “está mais para um tigre”. E tascou Sandra Rosa Madalena, fazendo o público ir ao delírio.

Outro brigadeiro
Em festinhas mais avançadas de São Paulo e Rio de Janeiro, a grande novidade é o brigadeiro de maconha.

Contra Juca
Marta Suplicy deixou o Ministério da Cultura, mas quem não suporta Juca Ferreira já está em campo contra sua indicação para a mesma Pasta. Nas redes, circula a informação de que, quando ele deixou a Cultura, empurrou R$ 172 milhões de restos a pagar para a sucessora, Ana de Hollanda. A maior parte era de um programa chamado Pontos de Cultura, que teve R$ 75 milhões cancelados pelo TCU por irregularidades nos convênios.

Quase atônito
O juiz Sérgio Moro, da Justiça Federal no Paraná, tem momentos em que permanece quase atônito com o volume de dinheiro desviado no escândalo da Petrobras. E para ele, é quase impossível não fazer comparações com o esquema do mensalão que conhece bem. Moro assessorou a ministra Rosa Weber, do Supremo, no julgamento do mensalão.


Olho MagicoGaga é uma festa
Lady Gaga é sempre um festa, ao vivo e em fotos postadas no Instagram: esta semana, em Manchester, na Inglaterra, resolveu passear com um visual nada básico: vestido preto, com jeito de lingerie, transparente, calcinha à mostra, salto altíssimo e make-up exótica e carregada. Agora, ela se prepara para uma nova turnê, ao lado de Tony Bennett, com quem gravou o álbum de jazz Cheek to Cheek. O primeiro show acontecerá no Cosmopolitan, em Las Vegas, durante a passagem do Ano Novo. Em junho, no Rádio City Music Hall, em Nova York.

Edições Anteriores:  

  ;-) Biquini de bolinhas.

:-( Biquini estampado.



Os trabalhos dos mais criativos cartunistas selecionados na web.





 

Ruy Altenfelder Silva entrevista no programa Dialogo Nacional o colunista Giba Um.


© Copyrights: É proibida a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização
do titular desta coluna eletrônica. Entre em contato com o autor pelo email gibaum@gibaum.com.br