F x

“Eu mergulharia no fundo do mar para explorar o pré-sal.”

Lula, empolgado, defendendo a Petrobras e o pré-sal.




Ano XI - 17 de setembro de 2014

 

Dor de garganta
Há dias, no final de um comício, o ex-presidente Lula se queixou de dor de garganta. “Antes, quando tomava um conhaquezinho, não tinha problema. Agora, depois do câncer, dá uma coceirinha”. E essa coceirinha tem feito o ex-chefe do Governo pigarrear e até mesmo ver sua voz ganhar mudanças de tom. Por orientação do próprio Lula, nas horas que a garganta incomoda, assessores preparam rapidamente uma infusão à base de mel e gengibre. Seu médico particular, Roberto Kalil, sempre desaconselha excessos, especialmente com fala acima do tom normal, como pedem os palanques.

Fogo de encontro
“Quem organizou essa m...?” A frase, atribuída a Lula, muito irritado com o naufrágio do comício na Cinelândia, no Rio, na defesa da exploração da camada do pré-sal e da Petrobras, acabou atingindo Rui Falcão, presidente nacional do PT e Gilberto Carvalho, secretário-geral da Presidência, licenciado do cargo, encarregados de reunir sindicatos, militância do partido, organizações sociais e estudantis e que conseguiram arrebanhar pouco mais de 600 pessoas. No geral, foram levadas em ônibus fretados e com direito a R$ 100 de ajuda de custo. A fúria nacionalista de Lula foi apenas uma tentativa de fogo de encontro para encobrir os escândalos da Petrobras, que ameaçam crescer mais com a delação premiada de Paulo Roberto Costa.

Escorregão
No QG de Marina Silva, os homens ligados a área de comunicação, mais o marqueteiro Diego Brandy, queixam-se de que a candidata, quando fala de improviso (e ela sempre fala de improviso), acaba abrindo brechas para ataques de seus adversários, especialmente à candidata-presidente e de seu criador. No caso do petróleo, acham que ela cometeu um escorregão e tanto, quando o rotulou de “um mal necessário”, emendando que, se eleita, daria mais importância ao uso de fontes alternativas de energia. Detalhe: do alto de seus índices de intenção de votos, Marina não se permite criticas ou orientação.

Novo pito
“Guido Mantega é um caso inédito de ex-ministro em exercício”. A frase é de Marcos Lisboa, ex-secretário de política econômica do Ministério da Fazenda. E mesmo em período de aviso prévio – e expressão é do próprio Mantega – o titular da Fazenda ainda leva pitos públicos e privados da presidente Dilma. Nesses dias, admitiu reajuste dos preços do combustível e, em menos de 24 horas, ela bradou que “não haverá aumento”. E pelo telefone, não foi exatamente polida com o ministro com um pé (ou dois) fora do governo.

Menor exposição
Luiza Erundina (PSB-SP), desde que passou a integrar a coordenação da campanha de Marina, ao lado de Walter Feldman, resolveu submergir. Tradicionais aliados reclamam que não têm acesso a ela. Erundina sempre defendeu revisão na Lei da Anistia, combate à homofobia e novo marco regulatório de comunicação, temas sobre os quais a candidata passou a adotar posições polêmicas. E a deputada não quer entrar em choque com ela.


Projeto Down

Questão de memória
Para quem tem memória curta: em 2010, Dilma Rousseff defendia a autonomia do Banco Central, que hoje condena e José Serra era contra. Analistas de plantão também lembram que os petistas que agora investem contra Marina Silva dizendo que ela quer “entregar o BC aos banqueiros”, preferem esquecer que, nos dois governos Lula, os bancos lucraram perto de R$ 200 bilhões. Nos dois governos FHC, os lucros das instituições financeiras chegaram a R$ 31 bilhões.

Cena complicada
Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras, não deverá abrir a boca em novo depoimento na CPI Mista: a lei lhe concede esse privilégio e ele sabe que, se falar, irá por terra tudo o que foi combinado na delação premiada. Só que tramita na CPI pedido de convocação de suas filhas, Arianna e Shanni e ele permanecendo em silencio, a oposição insistirá para que elas compareçam. No acordo com a MP, as filhas do ex-diretor da Petrobras seriam preservadas.

Outros tempos
O ex-presidente Lula garante que não quer falar mal de Marina Silva, mas não esqueceu os últimos tempos dela no ministério quando divulgou, sem avisar o Planalto, dados desastrosos sobre o desmatamento, acusando colegas do Esplanada. Depois, o então chefe do Governo retirou o programa Amazônia Sustentável de sua alçada e ela acabou deixando o governo sem ter tido uma conversa a sós com Lula.

Novo campeão
Segundo dados da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética, o Brasil acaba de ultrapassar os Estados Unidos em números de intervenções no rosto e na cabeça. No ano passado, foram 380 mil procedimentos aqui contra 312 mil lá. Na sequencia, estão México, Alemanha e Colômbia. No total de procedimentos não cirúrgicos, incluindo botox e peeling químico, os Estados Unidos realizaram 2,5 milhões enquanto o Brasil alcançou 650 mil. Em seguida, vem México, Alemanha e Espanha. Mais: os EUA tem 6.133 cirurgiões plásticos e o Brasil, 5.473.

Abílio em campo
Abílio Diniz está debruçado sobre novos planos que poderiam marcar sua volta a seu setor de origem. Não será surpresa se ele marchar em direção à rede Makro, a maior atacadista do Brasil, com quase 80 lojas e faturamento anual de cerca de R$ 8 bilhões, só que com resultados finais menos empolgantes. Se essa alternativa prosperar, a aquisição da rede holandesa entre nós seria uma chance de reabertura das conversações de Abílio com a francesa Carrefour.

Quem madou
Que ninguém imagine que tenha caído a ficha para o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, quando ele resolveu liberar a faixa dos ônibus para taxis com passageiros, como era antes: essa foi quase uma ordem do ex-presidente Lula para levantar um pouco a imagem do alcaide paulistano, a ponto de prejudicar menos a candidatura de Alexandre Padilha. E para o ex-ministro da Saúde, o ex-chefe do Governo mandou atacar para valer seus adversários, “Como Duda Mendonça vem mandando o Paulo Skaf fazer”. Malgrado o episódio do mensalão, Lula admira Duda.

Magrinha
Além de ensaiar o “passinho” na Central Única das Favelas, no Rio e participar do lançamento do livro Um país chamado Favela, de Renato Meirelles e Celso Athayde, fundador da Cufa, Dilma Rousseff ficou encantada com um grafite feito por integrantes do projeto, especialmente por sua aparência no retrato. “Eu queria agradecer especialmente os meninos do grafite, que me deram um grande presente: me fizeram magrinha”.

Troca na bancada
A saída de Patrícia Poeta da bancada do Jornal Nacional provoca uma série de boatos sobre os reais motivos que teriam levado a Globo, a tomar essa decisão: de um lado, há quem aposte que William Bonner estaria insatisfeito em trabalhar ao lado dela que, supostamente, teria sido imposta por seu marido Amaury Soares, diretor de programação da emissora; de outro, a situação teria piorado depois das noticias que Poeta estava comprando um apartamento na Vieira Souto por R$ 23 milhões. O dono seria George Sedala, nome sempre ligado ao contraventor Carlinhos Cachoeira.

Cartão vermelho
Marco Polo Del Nero, 73 anos, presidente da Federação Paulista de Futebol há 12 anos e presidente eleito da CBF (a posse será em abril do ano que vem), teria rompido seu romance com Katharine Fontenele, 23 anos, que apareceu toda nua, este ano, num ensaio da revista Sexy. O affair foi abalado por uma foto que ela postou no Instagram ao lado de Del Nero e escreveu “Amor incondicional”. Amigos chegados acham que o namoro não terminou: apenas deverá ser menos publico, especialmente porque Marco Polo virou alvo de gozações nas redes sociais.

Apoio ou não
Fernando Henrique Cardoso acha que o PSDB deve apoiar Marina Silva no segundo turno, caso Aécio não chegue lá. O mineiro, que tem mudado sua postura no horário eleitoral da TV e até nas ruas, ainda acredita numa virada na última semana – e não deverá, se ficar de fora, apoiar a candidata socialista, como também Geraldo Alckmin, que, vira e mexe, é atacado pela ex-senadora. E José Serra não esquece que, em 2010, no segundo turno, Marina lhe virou as costas.

Carta, nem pensar
A demissão antecipada de Guido Mantega da Fazenda foi a alternativa que Dilma aceitou de Lula, que queria que a presidente fizesse uma outra Carta aos Brasileiros, como ele fez em 2002, garantindo respeito aos contratos e estabilidade econômica. Carta a presidente rejeitou de cara e agora, recusa-se a apresentar seu programa de governo.

Água gelada
O desafio do banho de água com gelo já arrecadou R$ 234 milhões para as pesquisa sobre a esclerose lateral amiotrófica. Por outro lado, os vídeos em que famosos e anônimos aparecem jogando um balde de água gelada na cabeça no Facebook já foram vistos mais de 10 bilhões de vezes, atingindo uma audiência de 440 milhões de pessoas no planeta.

Pesquisa
Na época em que Patrícia Poeta foi designada para a bancada do Jornal Nacional, todas as pesquisas feitas pela Globo já sinalizam que a grande favorita, disparada à frente, era mesmo Renata Vasconcelos. Da mesma maneira que, até hoje, quando aparece Chico Pinheiro no Bom Dia, Brasil, a grande maioria sente saudades de Renato Machado.


Letícia BirkheuerOutros talentos
Molhadas, sensualizando os movimentos e até protagonizando uma guerra de derrières, Jennifer Lopes e Iggi Azalea, a nova musa do hip-hop, esquentam o clipe de Booty, faixa do álbum A.K.A., de Jennifer Lopez. Na última edição dos prêmios MTV Video Music Awards, as colunas de gossips dos Estados Unidos comentaram que, o que se viu entre elas, foi quase um duelo de seus outros talentos naturais.

Edições Anteriores:  

  ;-) Livro no papel.

:-( Livro no tablet.



Os trabalhos dos mais criativos cartunistas selecionados na web.





 

Ruy Altenfelder Silva entrevista no programa Dialogo Nacional o colunista Giba Um.


© Copyrights: É proibida a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização
do titular desta coluna eletrônica. Entre em contato com o autor pelo email gibaum@gibaum.com.br